Category Archives: Arte

Tudo e Todos

 

1DAC928A-DA44-408F-92E8-75B6BCF5004A.JPG

Quem visitar Lisboa não pode deixar de conhecer a Tudo e Todos!

A proposta da loja é ser um ponto de encontro de amigos, clientes, artistas, artesãos e turistas. Miguel Reduto, proprietário da loja ateliê,  pensa o espaço para acolher pessoas. A Tudo e Todos é uma loja com alma.

 

O prédio data de 1896, projetado para ser uma padaria, preserva os azulejos azuis, tipicamente portugueses e os fornos de pães.

 

Esculturas em pedra, quadros, artesanatos regionais, cerâmicas, bijouterias, bolsas em tecidos, carteiras, tapetes, louças em barro, vinhos, livros, azulejos, móveis, azeites, estão dispostos  nas duas salas do ateliê  de onde se vê a passagem do elétrico 28.

 

Um espaço de projetos, ideias e pessoas. Realmente a não perder em Lisboa!

 

Tudo e Todos | Rua Dos Poais de São Bento, 31, 1200-346 Lisboa | Portugal

 

 

Anúncios

Ô abre alas!! Hambúrguer e arte!

Menu de carnaval! 

 

Ontem o prato do dia não foi bacalhau, foi hambúrguer!

O que não falta no Porto são restaurantes, cafés, confeitarias. A variedade de restaurantes regionais e especializados em peixe surpreende na qualidade dos produtos, principalmente o peixe. Mas nem todo dia se come bacalhau, sardinhas e robalos assados ou tripas à moda do Porto.

No mês passado chegou ao Porto Steak’n Shake, a terceira hamburgueria da rede americana em Portugal, onde o charme fica por conta de saborear hambúrguers ao lado dos murais de Joana Vasconcelos. Artista plástica portuguesa da Arte Pública, reconhecida pelos inúmeros trabalhos internacionais, como a Bienal de Veneza,  Versailles e São Paulo.

Em tempos de polêmicas sobre Street Art e cor na cidade de São Paulo, os painéis de Joana Vasconcelos feitos de azulejos coloridos, encantam e enchem os olhos. É impossível não fotografar. As cores e formas contrastam com a arquitetura de casarios acinzentados pelo tempo. Olhar por instantes os murais, é ter a sensação de alegria em fração de segundos. São 20 metros de painel na fachada lateral, em 8000 azulejos idealizados e pintados à mão pela artista plástica. A inspiração vem das filigranas, trabalho ornamental feito de fios muito finos usados em joias de ouro , prata ou bronze, neste caso, da região de Viana do Castelo.

O hambúrguer é muito bom, acompanhado da tradicional batata frita é servido por jovens simpáticos e muito educados.

Um casal gastará em média 17 Euros, bebendo 2 finos (chopps).

A hamburgueria fica no Largo do Moinho de Vento, na Baixa| Porto

Vale conferir!

Cor na cidade 

 

 

Salone Del Mobile 2015 Preview

SalonePreview_Molteni_01

Em  Milão o evento mais importante do design internacional, o Salone del Mobile, começa na próxima semana de  14 à  19 de Abril de 2015. Muitos eventos paralelos de design ocorrem  em toda a cidade. Milão se transforma na capital mundial de inovação do design. Este ano a Euroluce, que é bienal, completa o cenário do design com ousadia.

Drift

flylightdrift fragile fragilefuture noladrift

01_2_0 Molteni 80 anos

vico_gallery01cassinavico_still_life01vico_gallery01

1.-Melt-Copper-Chrome-Gold-1024x683 2.-Melt-Copper-Cluster-1024x683tom dixon

Tom Dixon

13.-Wingback-Chair-1024x724

Atelier Biagetti

1-triptych-I-largeatelierbiagetti

Moooi

joost_and_kiki_with_tudor_low_cupboard_at_the_moooi_presentation_during_salone_del_mobile_2014 tudor_cupboard_blue_2-forweb-moooi tudor_cupboard_blue_4-forweb-moooi tudor_low_cupboard_thumb

02_2 DSC3127baxter

Baxter

NAL3081 NAL3094

Squat

NAL3105 NAL3163 NAL3430lasvit lasvitII

Lasvit

lasvitIII lasvitIV

Atelier Baigetti – Bonjour Milàn (Galerie Italienne Paris)

SalonePreview_BMW_01 petit_tables_groupage-largeatelierbaigetti tavolo-largeatelierbiagetti SalonePreview_Nilufar_03 vincent_groupage-largeatelierbiagetti

Design Atemporal

miami-corbusier-684x513

Le Corbusier na universidade

A linguagem simétrica e limpa é a tônica dos dormitórios de universidades idealizados por Jean Prouvé, Le Corbusier e Charlotte Perriand nas décadas de 30 e 50. Como parte do Design Miami, a galeria Patrick Seguin montou uma elogiada exposição com recriações de projetos dos célebres designers feitos especialmente para os espaços acadêmicos. A obra dedicada a Corbusier e Perriand é uma reprodução do Quarto Brasil, construído em 1959 para acomodar estudantes estrangeiros na Cité Internationale Universitaire de Paris (foto acima). Os outros dois ambientes – também com total economia de ornamentos – são de Prouvé, feitos nos campus das cidades de Nancy e de Anthony. As composições são familiares, e não é difícil perceber como esses mestres franceses influenciam as gerações posteriores a eles.

miami-jean-prouve1

Cité Universitaire, Nancy. Jean Prouvé, 1932

miami-jean-prouve21

Cité Universitaire, Antony. Jean Prouvé, 1956

Pesquisa: Radar

Tomie Ohtake, delicadezas

tomie_ohtake_060813

Hoje partiu Tomie Othake.

Artista Nipo-Brasileira que teve sua trajetória sublinhada pelo delicado Abstracionismo, apropriação da cor e da materialidade da imagem nas camadas de tinta, Tomie Ohtake revelava a pele da sua arte contaminada em sobreposições de culturas.

Pinturas Cegas, da Exposição Correspondências

Em comemoração aos cem anos da artista plástica Tomie Ohtake, a exposição Correspondências, com  curadoria de Agnaldo Farias e Paulo Miyada, apresentou a história das suas obras realizadas desde a década de 1950 num diálogo com outros artistas brasileiros. Estas obras estabelecem uma relação de  aproximação e contraposição entre sua produção desde 1956 à 2013.

I3570309

tomie-ohtake-sem-tc3adtulo-c3b3leo-sobre-tela-747-x-100-cm

Tomie Ohtake nasceu em 1936, no Japão. Veio ao Brasil em visita ao irmão em 1936, ficando impressionada com a luz amarela do Brasil, país tropical. Com a iminência da Segunda Guerra, permaneceu no país, onde se casa e tem seus filhos, Ricardo e Ruy Ohtake. A carreira da artista imigrante,  teve início com  trabalho tardio, aos 40 anos. A influência da arte do Japão de tradição do início do século XX, onde se percebe as pinceladas da Arte Shodô, e o hibridismo cultural brasileiro foram inspiração para sua obra. A fruição de culturas, num viés verde brasileiro, amarelo nipônico, revela-se num resultado primoroso do abstracionismo de Tomie Ohtake, que influenciou diversos artistas nacionais.

Deixa um impressionante acervo de obras, pinturas na sua fundação, e esculturas nas cidades de  São Paulo, Santos, Santo André.

escultura_tomie_ohtake_santos 10608186_1035989223083079_1969429473529506341_o

10326532

Times Square Building recebe uma dose de Flower Power

fleurO artista britânica usa flores para transformar interiores urbanos em espaços visualmente impressionantes

fleurIIIImagine iniciar o dia de trabalho, passando por uma vibrante cortina perfumada das flores. As pessoas que visitarão para o prédio Viacom, na Times Square vão ter o prazer de ser recebidos desta forma, graças a artista britânica Rebecca Louise Lei. Suas instalações de flores penduradas têm gerado interesse por toda a Europa, elas transformam os ambientes urbanos em espaços naturais, etéreos. ‘Flowers 2015: Outside In “ marca sua estréia em território americano, que transformou a sede global em mídia num espaço cheio de cores, texturas e aromas.

fleur4 fleur5

Tal como acontece com a maioria das criações de Direitos Reservados, esta instalação foi um esforço colaborativo. Centenas de funcionários da Viacom ofereceram-se para ajudar a criar a peça, amarrando mais de 15.000 flores em fio de cobre para serem penduradas acima da entrada. Foram utilizados 14 tipos diferentes de flores, incluindo rosas, hortênsias, cravos, cardos, e Gypsophilias.

fleurIIA delicada relação da  artista com a natureza,  é projetada na instalação para se transformar ao longo do tempo. Inicialmente, flores frescas irradiam cores vibrantes e fragrâncias que são lentamente preservadas com a secagem. A escultura restante se transforma em algo como pout-pourri e emana um cheiro semelhante, mostrando o potencial de cada flor, o que ilustra o desejo do artista de justapor figurativamente sociedade contemporânea com a natureza.

Detalhes

J.Vilhora_4627Todos nós temos nossos lugares especiais em casa, e até no trabalho. Gostamos de nos cercar de referências que fazem parte da nossa história pessoal. A frase “Deus está no detalhe”, atribuída a Mies van der Rohe (???), é a metáfora do belo, do sublime, do olhar de encantamento. 

salaA J.Vilhora_4741

Os detalhes sempre fazem a diferença, porque demonstram cuidado, afeto, delicadeza.

J.Vilhora_4633 J.Vilhora_4630

O “lugar” da casa com encanto especial. É no detalhe que demonstramos quem somos.

J.Vilhora_4786 P1230842

A casa personifica nosso ideal mais íntimo. O sonho, o devaneio, as lembranças…

J.Vilhora_1939J.Vilhora_1150Todo canto de uma casa, todo angulo de um quarto, todo espaço reduzido onde gostamos de encolher-nos, de recolher-nos em nós mesmos, é , para imaginação o isolamento, a intimidade.

J.Vilhora_1938J.Vilhora_2032

 

 

J.Vilhora_4781

J.Vilhora_1910O canto da casa evoca-nos o silêncio de pensamentos. Retiro para alma, refúgio da imaginação, memória de momentos de tranquilidade. A casa é nosso canto no mundo.

Tendências do Décor 2015

O sentido estético evolui com o passar do tempo. Na decoração tudo é cíclico, alguns estilos se apresentam em releituras em novos  materiais e tecnologias.

Para facilitar listamos 10 tendências para 2015. Da cor reluzente à forma perfeita, da textura suave ao brilho, da década que agora nos rege à criação dos países que ditam tendências, podemos adaptar à nossa cultura e clima, o que vem por aí aos seus desejos de ter uma casa bonita e confortável.

A COR: PETRÓLEO

O azul petróleo está em alta. É a cor do momento. A sugestão é usar a cor em poltronas e peças pequenas, em veludo que também é tendência

ambientes-2014-08-281409257747117 poltronaazulpetrolio

produtos-2014-06-101402427207133-sm ambientes-2014-06-131402689032160

A FORMA: CURVA

A curva, linha que fascinava e orientava a arquitetura de Oscar Niemeyer no período modernista, é um dos elementos mais interessantes também nos interiores.  Voltou de forma soberana numa das peças mais importantes do mobiliário: o sofá! Do espanhol Jaime Hayón, para Fritz Hansen, aos franceses Pierre Yovanovitch e os Irmãos Bouroullec, estes para Ligne Roset, a curva nos sofás hoje é tudo.

images (2) sofácurvo

475-sofa-ploum-02-720x440 Sofa-Favn-de-Jaime-Hayon-para-Fritz-Hansen-7-625x300

A TEXTURA: VELUDO

O veludo é eterno, e vai dominar os estofados. É o que dizem os fabricantes de prèt-a-porter em mobiliário, desde o Salão do Móvel, em Milão.  Feito de algodão, o tecido de pelos curtos – sim, o bom veludo tem que ser absolutamente natural – é um must colorido de volta às nossas casas, em sofás e poltronas. Especialmente em cinza, bege, amarelo e laranja.

big-03-BEB_ITALIA-MART_2012-MART poltrona amarela produtos-2012-10-051349463404151 produtos-2014-04-24139835740560 produtos-2012-10-051349461704198

O BRILHO: DOURADO

O livro ‘O Brilho do Bronze’ (Editora Cosac Naify) é um dos best sellers atuais. Nele, o historiador Boris Fausto faz reflexões dolorosas, envoltas pela marca da ausência – só lendo para saber… Pois o resultado revela um olhar crítico e atento à vida contemporânea, com o humor de seu autor, mesmo em uma cena triste. No nosso caso, o brilho do dourado se revela em objetos lindos como um vaso solitário, assim como o brilho do latão em móveis que voltam à tona enxutos, de forma – brilhante na decoração, às vezes somado ao tom cromado, em jogo ouro e prata.

vaso mesas

aparador mesaII

DEVE TER: VASOS

Vasos servem para tudo numa casa: colocar flores, enfeitar sozinhos – ou mesmo em grupo, uma apresentação muito em alta – uma mesa ou aparador, formar coleções. De todas as décadas ou séculos, em materiais como a cerâmica ou a porcelana,  em formatos e funções diversas. Eles podem, ser chineses, franceses, ou dinamarqueses. Mas são, sem dúvida, um item obrigatório em uma boa decoração em todos os tempos.

vasoI vasoII vasoIII

A DÉCADA: ANOS 1970

O auge  psicodélico  iniciado no final dos anos 1960 explode nos anos 1970 – na moda e na decoração. A excentricidade atinge o seu apogeu do século 20 em peças modernas e com humor. O acrílico aparece em todas as suas formas e cores: da transparência das poltronas e das cadeiras à negritude de uma escrivaninha, passando pelos pés de abajur. O design dos estofados desta época começa a esbanjar conforto.

panthella_table e216ea3dfbaf69965332a51486a7705e parede-anos-70 poltrona acrilico

O ESTILO: ART DÉCO

O estilo Art Déco é o máximo da elegância: sempre reaparece como uma fênix. Porque tem características fortes, com móveis e objetos cheios de personalidade e linhas muito firmes que agradam a qualquer dos tempos em que os desafios se impõem. Exemplos fantásticos deste período belo e rígido – cadeira estofada em tecido com grafismo preto e branco, mesa lateral com pés em aço, luminária, poltrona e lustres. Coisas de quem entende que o estilo está acima de tudo.

cad 3f015e3117c7d7fbe631abc1c1bf025d bc3753989d1efbefe60c6613f43fdd8dpad 99bc097a381d1c89a9f21f3121149adc b9ca4c3a4bac3239878b47e3dae75de1

PEÇAS COM ASSINATURA: OSCAR NIEMEYER, SÉRGIO RODRIGUES, JOAQUIM TENREIRO, JORGE ZALSZUPIN, LINA BO BARDI

Designers brasileiros ou estrangeiros dos anos 1950, com influência do Modernismo brasileiro, estão em alta. Ter um móvel assinado por designers é um privilégio, e sinônimo de boa qualidade.

7c02067e491725d3263169f53936fbeb cc7cc0b765d81dc2cb344f8b419f0f60 8523811_1 diz_1 ZALSZUPIN tenreiro

DESIGN BRASILEIRO

Rústico, minimalista, criativo, o design brasileiro tem qualidade, e é valorizado no mundo inteiro. Uma grande aposta no décor!

3db6ebb85e479d19aecc5200e7a157bc 694edec3f1e9d4aeda544ad5ea9cd61c 3c4f3fca3fa4c2ebf5b81dd762e4687d 3377a5deb99e42d9d3544c82d3e097f9 a1e495ccf99217eca4a5b3783b80aa4e a578e97b63f80c24769e140b1759a146 ec32f569d4fbf8c39f1f992cf960c265

GLOBALIZAÇÃO: ASIA E EUROPA

Cruzando os mares, do século 19 aos dias de hoje, estes móveis chegam ao Brasil com o sabor da tradição. Mas com absoluta certeza de que compõem a melhor base clássica para um ambiente contemporâneo. Aqui ou em qualquer lugar do mundo.Originários da França, da Itália, do Japão e da China.

BIOMBO ESTANTEASIA OPALINO POLTRONA LUIS XV

A Casa de Tom Jobim

12

jjJ8k “Esse negócio de entender de uma coisa, tem que amar. Quando você ama, isso cria uma capacidade. Você se interessa pela coisa, você começa a olhar”.  Tom Jobim

Antonio Carlos Jobim sempre foi apaixonado pelo Jardim Botânico. Seu nome tornou-se sinônimo de preservação do patrimônio ecológico e cultural do país e sua visão de mundo é sempre objeto de inspiração para as novas gerações. Sua constante preocupação com a ecologia nos levou à criação do Instituto Antonio Carlos Jobim, em maio de 2001, não somente para preservar e tornar público o seu acervo, mas também para desenvolver projetos educativos sobre ecologia e artes em geral.

images

No DVD Casa do tom – Mundo, monde, mondo, Tom Jobim, Ana Lontra, esposa de Tom Jobim, conta a história desde da construção da casa, e a mudança de casa, e a inspiração do poema Chapadão, que Tom começou a escrever quando escolheram o terreno no alto do Jardim Botânico para construírem sua casa: “A casa levou quatro anos para ficar pronta e o poema, oito”

Chapadão – Tom Jobim

Vou fazer a minha casa
No alto do chapadão
Vou levar o meu piano
Que ficou no Canecão

Vou fazer a minha casa
No alto do Chapadão
Vou levar don’Aninha
Prá me dar inspiração

Vou fazer a minha casa
No alto de uma quimera
Vou criar um mundo novo
Inventar nova megera

Vou fazer a minha casa
Com largura e comprimento
E peço ao Paulo uma sala
Pra botar Aninha dentro

Vou botar minha biruta
No taquaruçu de espinho
Vou fazer cama macia
Pra te amar devagarinho

Seremos dois belezudos
Neste mundo de feiosos
As noites serão tranquilas
E os dias tão radiosos

Quero minha casa feita
Com régua prumo e esmero
Quero tudo bem traçado
Quero tudo como eu quero

Quero tudo bem medido
De largura em comprimento
Não quero que minha casa
Me traga aborrecimento

Vou fazer a minha casa
Do alto de uma canção
E agradecer a Deus Pai
A sobrante inspiração

Sob a axila do Christo
Neste sovaco christão
Vou fazer a minha casa
No alto do Chapadão

E vou dar festa bonita
Com bebida e com garçon
E ao Lufa que foi amigo
Dou champagne com bombom

Vou fazer a minha casa
No centro do ribeirão
Quero muita água limpa
Pra lavar meu coração

Minha casa não terá
Nem sábado nem domingo
Todo dia é dia santo
Todo dia é dia lindo

Todo dia é sexta-feira
Sexta-feira da paixão
Vou convidar o Alberico
Para o peixe com pirão

E dentro da minha casa
Nunca vai juntar poeira
Pelo meio dela passa
Uma enorme cachoeira

Quero água com fartura
Quero todo o riachão
Quero que no meu banheiro
Passe inteiro o ribeirão

Quero a casa em lugar alto
Ventilado e soalheiro
Quero da minha varanda
Contemplar o mundo inteiro

Vou fazer o meu retiro
Na grota do chororão
A minha casa será
Uma casa de oração

Vou me esquecer do pecado
Entrar em meditação
E não saio mais de casa
Só saio de rabecão

Vou entrar pra Academia
Vou comer muito feijão
E acordar à meia-noite
Pra vestir o meu fardão

Mas na minha Academia
Sem chazinho e sem garçom
Só entra Mário Quintana
Só entra Carlos Drummond

Que já chega de besteira
Já basta de decoreba
Que a cultura verdadeira
Tá na asa do jereba

Porque tem urubu-rei
E tem urubu-ministro
Dois de cabeça amarela
E um preto que registro

Registro neste debuxo
Os dois condores também
Embora urubus de luxo
Têm direito no além

Sob a axila christã
Neste sovaco christão
Vou fazer de telha-vã
A casa do Chapadão

Vou dormir meu sono velho
Neste sovaco do Christo
Vou comprar muito sossego
Vou regar o meu hibisco

Vou viver na minha casa
Vou viver com a minha gente
Vou viver vida comprida
Prá não morrer de repente

Vou contemplar grandes pedras
Vazio de compreensão
Vou esquecer o meu nome
No alto do Chapadão

Vou plantar um roseiral
Vou cheirar manjericão
Vou ser de novo menino
Vou comprar o meu caixão

E vou dormir dentro dele
Bem relax tranqüilão
Dormir de banho tomado
Já pronto para a extrema-unção

Vou fazer a minha casa
No alto do cemitério
Vou vestir a beca negra
E exercer o magistério

Vou vestir a roupa lenta
Que leva ao desconhecido
E eis que chego aos sessenta
Como um homem sem partido

Nesta passagem de vento
Nesta eterna viração
Vou fazer a minha casa
Com as pedras do ribeirão

Vou fazer a minha toca
No bico d’urubutinga
No pico da marambaia
Lá na ponta da restinga

Será no rastro das antas
Na trilha da sapateira
Que é pra onça do telhado
Cair dentro da fogueira

Que eu gosto de onça assada
Mas na brasa da lareira
Conversando ao pé do fogo
A conversa rotineira

Das queixadas dos macucos
Conversa pra noite inteira
Da memória das caçadas
Na floresta brasileira

Deste planalto central
Este projeto christão
A ninguém faltará teto
A ninguém faltará pão

Desta prancheta ideal
Na luminosa manhã
Dr. Lúcio faz o risco
Do projeto telha-vã

Nesta oficina serena
Carpintaria christã
Dr. Lúcio mais Oscar
No projeto telha-vã

Neste canteiro de obras
Onde manda mestre Adão
Os milhares de operários
Colocar as telhas vão

Neste desvão principal
Nesta branca e azul manhã
Vou erguer a minha casa
De vermelha telha-vã

Vou fazer a minha casa
No meio da confusão
Que o jereba se alevanta
No olho do furacão

Vou fazer a minha casa
Na asa d’urubu peba
Que casa só é segura
Feita em asa de jereba

Vai ser na vertente seca
Na virada da chapada
Onde o peba se suspende
Na fumaça da queimada

Não quero mais ter galinha
Vendo toda a capoeira
Vou mandar cortar o mato
E vender toda a madeira

Mas quem pôs fogo no mato ?
E espontânea a combustão ?
Esse fogo vem de longe
Esse fogo é de balão

Inda que mal lhe pergunte
Esse fósforo aí grandão
O compadre me desculpe
E só de acender balão ?

Vou botar fogo no mato
Comandar rebelião
Incendiar a floresta
Tacar fogo no sertão

E o urubu de queimada
Vai surgir na ocasião
Pra comer todas as cobras
Sapos ratos pois então !

Caracóis e lagartixas
e todos bichos do chão
Urubu santo lixeiro
Tu és da Comlurb então ?

Trabalhando o ano inteiro
Tem décimo terceiro não ?

Camiranga meu amigo
Obrigado meu irmão
Que limpa toda sujeira
Desse povo porcalhão

Q’inda por cima te xinga
De feioso e azarão
«Doação ilimitada
A uma eterna ingratidão»

E vou viver no deserto
Quero o ar puro do sertão
Não quero ninguém por perto
E nem que passe avião

Não pode ter venda perto
Nem estrada de caminhão
Não quero plantas nem bichos
Nem quero mulher mais não

Quero vestir meu pijama
Smith e Wesson na mão
Quero ler na minha cama
Papo-amarelo no chão

As histórias do corisco
Vividas nesse sertão
Que Sérgio Ricardo e Glauber
Cantavam ao violão

«Eu não sou passarinho
Prá viver lá na prisão
Não me entrego ao tenente
Nem me entrego ao capitão
Eu só me entrego na morte
De parabelum na mão»

Minha casa é por aí
E no mundo monde mondo
Que eu só durmo no sereno
Quem faz casa é marimbondo

Vou cerzir a minha asa
Na casa do Sylvio então
Pra voar que nem jereba
Bem longe do Chapadão

Vou vender o meu pandeiro
Vou levar meu violão
Favor mandar meu piano
De volta pro Canecão

Vou-me embora vou-me embora
Aqui não fico mais não
Adeus minha bela morena
Vou pegar meu avião

Adeus minha roxa morena
Minha índia tupiniquim
O meu amor por você
É eterno até o fim

Não quero partir chorando
Já tá tudo tão ruim
Não chore meu bem não chore
Não me deixes triste assim
Adeus minha moreninha
Não vá se esquecer de mim

Mas não vou ficar solteiro
Você pára de chorar
Que com a sobra do dinheiro
Mando logo te buscar

Avião papa jereba
Passa mal e cai no chão
Avião foge do peba
Peba derruba avião

Por favor seu urubu
Me deixe passar então
Não entre em minha turbina
Não derrube o avião

Eu já tô tão tristezinho
E tantos outros já estão
Não derrame meu uisquinho
Não abata o meu jatão

Vou-me embora desta terra
Meu desgosto não escondo
O afeto aqui se encerra
Quem faz casa é marimbondo

Vou-me embora vou-me embora
Você não me leve a mal
Se Deus quiser fevereiro
Venho ver o carnaval

E não quero mais ter casa
Precisa de casa não
Quem tem casa é marimbondo
Minha casa é o avião

Telefonei pro aeroporto
Não tinha avião mais não
Vou fazer minha viagem
Na asa do peba então

(Acho asa de jereba
Mais segura que avião)